domingo, 23 de agosto de 2015

Destruindo Mitos Sobre as Drogas. Entrevista com Carl Hart

Where Drug Myths Die. An Interview with Carl Hart
publicado na Skeptic volume 20 number 2 (original published article here)


por Felipe Nogueira


Entrevista com Hart: matéria de capa da Skeptic 
Carl Hart é um professor associado dos departamentos de Psicologia e Psiquiatria da Universidade de Columbia e pesquisador da Divisão de Abuso de Substâncias do Instituto de Psiquiatria do Estado de Nova York. Ele é membro do National Advisory Council on Drug Abuse e compõe a junta de diretores do College on Problems of Drug Dependence e da Drug Policy Alliance. Após receber seu bacharelado em psicologia na Universidade de Maryland e seu doutorado em psicologia experimental e neurociência na Universidade de Wyoming, Hart publicou vários artigos em jornais científicos de prestígio pelos quais ele foi nominado Fellow pela Associação Americana de Psicologia (American Psychological Association). Em 2012, ele escreveu, junto com Charles Ksir, o livro-texto Drugs, Society, and Human Behavior (publicado pela editora McGraw-Hill), que é bastante considerado na área. Como um neuropsicofarmacologista, Dr. Hart pesquisa os efeitos das drogas na psicologia e no comportamento humano. Por exemplo, o objetivo de um de seus experimentos foi entender como usuários de crack responderiam ao terem de escolher entre a droga e outra opção atraente – dinheiro. O experimento de Hart relevou, ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, que usuários de drogas podem agir racionalmente, escolhendo outras opções atraentes além de drogas destrutivas. Então, o modelo médico que considera a dependência uma doença não está totalmente preciso, quando comparado com a AIDS ou câncer, onde os pacientes não escolhem em não ter a doença. Muitas pessoas abandonam o uso de drogas, mesmo os que eram viciados. A pergunta é por que?
Ser um cientista que estuda as drogas é apenas uma parte da história pessoal fascinante de Hart com as drogas. Ele foi criado em um bairro pobre de Miami, onde na escola ele não apenas usou drogas, mas como também vendeu maconha e no processo cometeu crimes leves. Para piorar a situação, a maioria de seus familiares não reconhecia o valor de uma educação formal. Ele acabou se juntando às Forças Armadas americanas, o que lhe deu uma apreciação maior da importância do conhecimento, especialmente conhecimento científico e a habilidade de pensar criticamente, o que o levou, eventualmente, a ser o primeiro professor afro-americano titular de ciência na Universidade de Columbia. Em 2013, ele publicou Um Preço Muito Alto: A Jornada de Um Neurocientista Que Desafia Nossa Visão Sobre Drogas*, um livro que descreve a pesquisa, mitos, leis e política pública sobre as drogas escrito para uma audiência geral. O livro é também um memoir, onde ele discute sua vida pessoal e como se tornou o cientista que é hoje. Um Preço Muito Alto recebeu o prêmio PEN E.O. Wilson de Escrita Cientifica Literária de 2014. Desde então, Hart tem aparecido como convidado em programas de entrevistas, como o Real Time apresentado por Bill Maher na HBO. No programa do dia 27 de setembro de 2013, o anfitrião fez seu habitual apelo pela legalização da maconha, no qual Dr. Hart adicionou que cocaína, heroína e meta-anfetaminas também deveriam ser descriminalizadas, para os usuários conseguirem a ajuda que precisam e para esvaziarmos nossas prisões desses autores de crimes sem vítimas. Hart ensinou o Bill O’Reilly sobre fatos relacionados ao vício, ressaltando que os últimos três presidentes dos Estados Unidos fumaram maconha na juventude e que, de fato, o uso de maconha entre alunos americanos do ensino médio caiu de 37% em 1978 para 22% atualmente (O’Reilly insistiu que o uso tinha aumentado, no qual Dr. Hart respondeu de forma direta “você está errado”). Nesse sentido, Carl Hart é um destruidor de mitos sobre drogas e vício, e um verdadeiro cético em relação à pseudociência e falta de sentido que permeiam as atitudes dos Estados Unidos no que diz respeito às drogas e aos viciados em drogas.






Skeptic: As pessoas acreditam que a maconha é uma “porta de entrada” para outras drogas. É mesmo?
Hart: Tudo depende do que as pessoas chamam de “porta de entrada”. As pessoas normalmente querem dizer que a maconha leva ao uso de drogas mais pesadas e isso não é verdade. É verdade que a maioria dos usuários de heroína e cocaína usou maconha antes de usar essas outras drogas. Mas o fato é que a maioria dos usuários de maconha não usa essas drogas. Então, não é uma porta de entrada; é ilógico fazer esse tipo de afirmação. Seria o mesmo que dizer que “os últimos três presidentes dos Estados Unidos usaram maconha antes de tornarem presidentes. Então, maconha é uma porta de entrada para a Casa Branca.”  
Skeptic: Aqueles que acabam usando crack e cocaína não usaram álcool ou cigarro antes da maconha? Hart: A maioria usou álcool e tabaco anteriormente, eles também beberam água ou comeram uma fruta. Os usuários de crack participam mais em pequenos delitos do que aqueles que usam apenas maconha. Então, podemos dizer que pequenos crimes são uma “porta de entrada” para drogas mais pesadas. Você pode pensar em diferentes comportamentos associados com as pessoas que usam heroína e chamá-los de porta de entrada, mas essa não é uma conclusão científica adequada de se fazer. 
Skeptic: Existe diferença entre crack e cocaína? Hart: Farmacologicamente, não há diferença. A principal coisa que as pessoas estão buscando, ao usarem cocaína, é a base da cocaína. O pó da cocaína não possui apenas a base, contém também um hidrocloreto, o que o torna mais estável e diminui a chance de ser fumado. Se alguém quiser fumar, tem de remover o hidrocloreto, que não contribui para os efeitos biológicos da cocaína. Quando as pessoas estão descrevendo as diferenças entre crack e cocaína, o que elas estão descrevendo realmente é a diferença no modo como essas drogas são utilizadas. Ao fumar crack, os efeitos começam mais rápido do que cheirar o pó da cocaína. Mas é possível dissolver o pó da cocaína em água e injetar na veia e ter o mesmo efeito que você teria fumando crack.
Skeptic: Uma vez que chega ao cérebro mais rápido, crack não é mais viciante do que cocaína? Hart: Fumar crack e injetar o pó da cocaína dissolvido em água chegam ao cérebro na mesma velocidade. No entanto, esse é um dos argumentos que alguns fizeram, mas não há outras drogas que punimos de acordo com a rota de administração, além de crack e cocaína. E nós fazemos essa distinção nos Estados Unidos, porque o crack foi associado com pessoas negras pobres. Ao olharmos para os anos 80, nenhuma droga produziu mais violência do que cocaína em pó, mas ninguém aprovou novas leis, em parte, porque as pessoas engajadas não eram negros e, sim, principalmente pessoas brancas. Como sociedade, nós não estamos sendo honestos em relação a isso.
Skeptic: As pessoas acham que apenas uma dose é suficiente para deixá-las viciadas. Pode explicar porque isso não é verdade? Hart: Por definição, vício em drogas é um comportamento que afeta suas funções psicossociais, seu trabalho, sua vida familiar e essas perturbações comportamentais precisam ocorrer em múltiplas ocasiões. Então, se você usou uma droga uma vez e foi afetado uma vez, por definição, isso não é um vício. Vício requer esforço. A utilização de qualquer droga uma única vez não deixará ninguém viciado. As pessoas fazem essa afirmação baseada numa hipérbole para atingir emocionalmente o ouvinte. 
Skeptic: O quanto viciante é o tabaco em comparação com outras drogas? Hart: 1 entre 3 (ou 33%) das pessoas que fumam cigarro ficarão viciadas. Por comparação, 15% daqueles que usam álcool ficam viciadas. A taxa na maconha é 10%. Já na heroína chega a 25%, enquanto cocaína (e crack) fica entre 15% e 20%.

Skeptic: O psicofarmacologista David Nutt, autor do livro Drugs Without the Hot Air, publicou um estudo em 2010 que considerou o álcool a droga mais perigosa. Você concorda com isso? Hart: Eu sou fã do trabalho do David e na sua defesa em educar o público, e eu admiro o que ele faz. Acho que ele tenta fazer o público entender que, quando pensamos se uma droga é tóxica, precisamos olhar para diferentes medidas. Em uma medida, o álcool pode ser visto como a droga mais tóxica. Por exemplo, quando pensamos na abstinência, quando as pessoas param abruptamente o uso prolongado de uma droga, o álcool é claramente a mais perigosa, porque você certamente pode morrer de abstinência alcoólica. Você não morre de abstinência de heroína, crack, cocaína, cigarro ou maconha. Tudo depende da medida que você está analisando ao determinar a toxicidade potencial de uma droga.

Skeptic: Escuto vários comentários sobre como as pessoas viciadas se comportam. Por exemplo, usuários de crack são “zumbis”. Não estou certo do que significa ser um “zumbi”, mas o que as pessoas estão pensando quando usam tais expressões para descrever o comportamento sob a influência de uma droga? Ou seja, como as pessoas viciadas se comportam de fato? Hart: Sou um psicólogo que estuda o comportamento humano. Todo mundo se comporta de alguma maneira e pensamos que somos especialistas em entender o comportamento humano. Mas a maioria das pessoas não é especialista e isso é parte do problema com essas descrições subjetivas e anedóticas. As pessoas vêem alguém se comportando de forma errada e se elas sabem que essa pessoa usa alguma droga, elas concluem que o comportamento errado é causado pela substância. Não! Você não pode fazer essa conclusão. Há vários outros fatores que precisam ser considerados. É preciso considerar o histórico psicológico, se há ou não outras drogas envolvidas, se não dormiu, se a pessoa interagiu com alguém que a deixou nervosa, etc. As pessoas falham em não considerar esses fatores. Por isso que anedotas são insuficientes para fornecer boas explicações sobre comportamento.


Skeptic: Em um dos experimentos que você realizou, você ofereceu aos participantes, que eram usuários de drogas, duas escolhas: dinheiro e droga. O que você encontrou e o que significa? Hart: Uma das coisas que as pessoas dizem sobre usuários de drogas, especialmente sobre viciados em drogas, é que eles apenas respondem à droga que eles usam: se você der a oportunidade para eles usarem as suas drogas, eles irão fazer isso acima de qualquer outra coisa. Foi um experimento simples, onde aumentávamos a quantidade de dinheiro que oferecíamos aos participantes. Encontramos que, quando aumentamos o valor monetário, a escolha dos participantes em usar a droga diminuía – eles escolheram o dinheiro; eles se comportaram racionalmente.


Skeptic: Por que as pessoas ficam viciadas? Hart: É uma pergunta difícil e uma pergunta que a ciência deveria estar focada. Recentemente, nos concentramos em achar mecanismos biológicos para o vício. Mas francamente não achamos nenhum que seja convincente. Então, precisamos olhar para outras coisas também, como a co-ocorrência de doenças psiquiátricas, depressão, ansiedade e esquizofrenia, que aumentam a probabilidade de uma pessoa ficar viciada. O vício é uma doença principalmente caracterizada por não controlar o seu comportamento em relação ao uso de drogas. Há pessoas que não controlam seus comportamentos nos mais variados domínios, não apenas com drogas, porque elas não aprenderam a fazer isso. Então, se essas pessoas usarem drogas, isso aumenta a chance de ficar viciado, porque o uso de drogas requer que a pessoa seja responsável, assim como dirigir um automóvel. Você não pode ser irresponsável dirigindo um automóvel; você pode se machucar e machucar outras pessoas. Não aprender essas responsabilidades aumenta a chance de uma pessoa ficar viciada. Se a pessoa não possuir uma alternativa na vida melhor que a droga, também aumenta chance do vício. Todos esses fatores são criticamente importantes quando estamos tentando determinar por que alguém ficou viciado em comparação com alguém que não ficou.


Skeptic: Você mencionou mecanismos biológicos para o vício. Existe a hipótese da dopamina, mas no seu livro você mencionou que essa hipótese tem problemas. Poderia esclarecer? Hart: Vamos falar sobre a versão simplista da hipótese da dopamina primeiro. Drogas como cocaína e anfetaminas aumentam dopamina, que aumenta o prazer. Então, pesquisadores disseram que os usuários de drogas estavam tentando aumentar seus níveis de dopamina. Foi uma teoria importante, porque nos ajudou a organizar diferentes tipos de experimentos, mas ela apareceu nos anos 60 quando tínhamos identificado apenas cinco ou seis neurotransmissores. Atualmente, conhecemos mais de 100 neurotransmissores e a teoria não foi atualizada de acordo. Aprendemos muito sobre a complexidade do cérebro na maneira como os neurotransmissores interagem entre si. Ao invés de um neurotransmissor ser liberado a cada vez, vários neurotransmissores são liberados juntos para produzir efeitos. E, às vezes, esses neurotransmissores estão co-localizados nas mesmas células. Essa teoria antiga da dopamina não leva em consideração esse novo conhecimento. Para mim, essa hipótese da dopamina é muito simples para explicar um comportamento complexo. E temos informações que podem ajudar as pessoas agora: A pessoa tem alguma doença? A pessoa é responsável? Podemos manipular várias variáveis e ajudar a pessoa agora; não podemos ajudar usuários de drogas imediatamente com a hipótese da dopamina, e não ajuda ninguém no tratamento, não ajuda em nada na prática. Estamos no nível em que a ciência está tentando entender e não estamos perto, se estivermos falando de dopamina.

Skeptic: E sobre tratamentos farmacológicos para dependência a drogas, como cocaína? Hart: Foquei uma grande parte da minha carreira na tentativa de desenvolver medicações para ajudar as pessoas viciadas em cocaína, mas não tivemos sucesso em achar uma medicação eficaz. Parece que a melhor medicação para o vício da cocaína é a própria cocaína. Na Suíça, heroína é utilizada com sucesso para tratar vício em heroína. Quando pensamos sobre tratamento, há vários componentes que são necessários, não apenas o medicamento: apoio psicossocial, terapia para entender o vício da pessoa: essa pessoa tem trabalho? Tem uma rede social? Todos esses fatores são incorporados no programa de tratamento da heroína na Suíça, e tem sido um sucesso. Algo similar pode ser feito com cocaína, mas precisamos de todos esses componentes auxiliares.


Skeptic: Quais são os danos causados pelas anfetaminas? Hart: A primeira lição que as pessoas deveriam saber é que há potenciais danos para todas essas drogas que estamos falando. No entanto, quando você enfatiza os danos, as pessoas que usam drogas param de ouvir, porque eles sabem que há outros efeitos (por isso que elas usam essas drogas). A principal preocupação com anfetaminas é que possuem um efeito poderoso no sistema cardiovascular; elas aumentam a pressão e a frequência cardíaca. Isso não é bom para pessoas com um sistema cardiovascular comprometido e elas não devem tomar doses elevadas de anfetaminas. Anfetaminas também afetam o sono e privação de sono pode causar diversos problemas físicos e psicológicos, mesmo sem uso de drogas. Anfetaminas também afetam a ingestão de alimentos, que é criticamente importante para o funcionamento adequado do corpo. Essas são as preocupações que as pessoas que usam anfetaminas devem estar cientes, ao invés de outras preocupações frequentemente enfatizadas pela mídia e até por cientistas. Sobre declínio cognitivo, anfetaminas são aprovadas para aumentar o funcionamento cognitivo para tratar déficit de atenção. Então, a ideia de que anfetaminas estão causando declínio cognitivo é simplesmente inconsistente com a história da ciência comportamental que temos com essas drogas.


Skeptic: Outra ideia que escutamos bastante é que a maconha ou a cocaína matam as células nervosas. Existe alguma evidência para isso? Hart: Qualquer droga psicoativa pode matar células do cérebro. No entanto, essas doses são tão altas que as drogas seriam tão desagradáveis que humanos não experimentariam de novo, caso sobrevivessem. Essas doses são 20-80 vezes a quantidade que as pessoas normalmente tomam. Além disso, não há evidência de que uso de longa duração de doses que humanos tomam normalmente produz neurotoxicidade. Neurotoxicidade certamente pode ocorrer, mas a chance de ocorrer com pessoas utilizando drogas em doses que humanos normalmente tomam é bem baixa.


Skeptic: Por que você defende a descriminalização das drogas ao invés da legalização? Hart: De todas as drogas que falamos, a nicotina, presente no cigarro, é provavelmente a droga que mata com a menor quantidade. 50 mg de nicotina matariam metade de nós. Em contraste, com 50 mg de cocaína ou heroína, você apenas se sente muito bem. Então, precisamos pensar por que a nicotina é legal mesmo se tão pouco é capaz de matar pessoas. É legal porque temos estruturas sociais, temos educação sobre a nicotina, e sabemos como manter as pessoas seguras. Um cigarro contem 1 mg de nicotina e um maço contém 20 cigarros. É necessário que as pessoas fumem diversos maços imediatamente para se matarem. Nós embalamos a nicotina de uma maneira que substancialmente diminui a chance das pessoas se machucarem. Precisamos descobrir como embalar as outras drogas e educar as pessoas de uma maneira que elas fiquem seguras. Não fizemos isso ainda, porque não temos as estruturas sociais necessárias. Eu vejo a descriminalização, em parte, como um passo intermediário para a regulamentação, como regulamos álcool e cigarro. Mas precisamos ter essas estruturais sociais para manter as pessoas seguras, porque todas essas drogas são potencialmente perigosas, embora todas possam ser usadas com segurança.


Skeptic: Podemos comparar diferentes locais (países, estados, cidades) com leis de drogas diferentes (proibido, descriminalizado, legalizado) em relação a diferentes desfechos, como taxa de uso de drogas, taxa de mortes e homicídio relacionados às drogas, além de crime. O que pode ser dito sobre esses tipos de medidas? Isso é, qual o impacto de descriminalização e legalização nesses desfechos? Hart: Acho que a comparação entre Portugal e Estados Unidos é instrutiva nessa questão. Em 2001, Portugal descriminalizou todas as drogas incluindo heroína e cocaína. Eles aumentaram o gasto em prevenção e tratamento, e diminuíram o gasto para processamento criminal e aprisionamento. O número de mortes ligadas às drogas caiu, assim como a taxa de uso de drogas, especialmente entre pessoas jovens (15-24 anos). Em geral, as taxas de uso de drogas em Portugal são similares, ou um pouco melhores, do que outros países da União Europeia, e eles estão melhores do que os Estados Unidos. Em outras palavras, a descriminalização de Portugal foi um sucesso. Não parou o uso ilegal de drogas, mas isso seria um expectativa irrealista. Os portugueses ficam ainda ficam “chapados”, assim como seus contemporâneos e todas as sociedades humanas antes deles. Mas parece que eles não têm mais o problema de estigmatizar, marginalizar, e encarcerar uma grande proporção de seus cidadãos por pequenas violações de drogas. Essas são algumas das razões que eu acho que regulamentação ou até mesmo legalização devem ser consideradas como opções nos Estados Unidos.


Skeptic: Se você fosse o diretor de políticas de controle de drogas nos Estados Unidos, quais seriam suas políticas de curto e longo prazo? Hart: Primeiro, eu trabalharia para descriminalizar todas as drogas para que as pessoas não corressem o risco de serem presas por posse de drogas. Muitos de nossos cidadãos estão definhando na prisão desnecessariamente por violações referentes ao uso de drogas. Também trabalharia para mudar a educação sobre as drogas de uma maneira que não seria mais aceitável exagerar os danos como uma tática para colocar medo. A primeira função da educação seria manter nossos cidadãos seguros. Em longo prazo, eu trabalharia para regular as drogas para diminuir as chances de usuários obterem e usarem drogas adulteradas com substâncias mais perigosas que as próprias drogas. Meu maior objetivo como diretor seria manter a população segura, com entendimento de que as pessoas usarão drogas, como humanos sempre fizeram.


Skeptic: Qual foi seu objetivo ao escrever Um Preço Muito Alto? Hart: O objetivo foi comunicar com o público em geral. O primeiro objetivo da comunidade científica é manter o financiamento do laboratório e, algumas vezes, isso é inconsistente com os interesses mais amplos da sociedade. A pesquisa em abuso de drogas foca principalmente nos efeitos ruins das drogas, porque o maior financiador é o Instituto Nacional do Absuso de Drogas (National Institute for Drug Abuse), que financia 90% da pesquisa mundial nessa área. O Instituto Nacional do Abuso de Drogas está focado nas coisas ruins que acontecem com o uso de drogas e cientistas são influenciados por esse objetivo. A sociedade tem o objetivo de ficar segura e cientistas tem o objetivo “não use essas drogas”, então é inconsistente. Ao escrever o livro, queria fazer o público entender que o objetivo deles e o objetivo do cientista são diferentes, que os o objetivos do publico e do policial são diferentes, e que o objetivo do público também é diferente do objetivo do jornalista que escreve histórias sobre as drogas.


Skeptic: Na Skeptic, defendemos o pensamento baseado em evidências, ao invés do pensamento baseado na fé. Para você, qual é a melhor abordagem para mudar do pensamento baseado na fé para o baseado nas evidências? Hart: Quando tentamos mudar a visão das pessoas sobre algo que elas acham que sabem, em alguns casos, elas se sentem ameaçadas e ofendidas, porque elas trabalharam duro para adquirir esse conhecimento. Ai você diz que eles estão errados e isso é difícil para a maioria de nós aceitar. Então, é necessário reconhecer o trabalho que tiveram em adquirir esse conhecimento, mesmo se o conhecimento estiver ultrapassado ou impreciso. Você pode dizer “sabe, eu era como você, fui enganado. Eles me enganaram, assim como te engaram. Foi assim que eu passei a ver de forma diferente e você também pode fazer isso.” É necessário se conectar com a audiência para fazer essa transição. Às vezes ficamos impacientes, porque não temos tempo para fazer essa conexão e dizemos “a evidência mostra isso e você está errado.” Isso geralmente não funciona. Mas eu entendo a impaciência, porque esperamos que as pessoas sigam as evidências, mas frequentemente isso não acontece.


Skeptic: Para você, o que é indispensável para ser um bom cientista? Hart: Sempre tente refutar a sua própria hipótese. Se não fizer isso, você aumenta suas chances de seguir um dogma. Então, o fator crítico é elaborar experimentos que possam refutar a sua própria hipótese.

Skeptic: Obrigado por essa entrevista! ------------------- * A edição original do livro com o título High Price: A Neuroscientist's Journey of Self-Discovery That Challenges Everything You Know About Drugs and Society foi publicada nos Estados Unidos em 2013 pela editora Harper. No Brasil, o livro foi publicado em 2014 pela editora Zahar.  





Nenhum comentário:

Postar um comentário